Core-MT - Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Mato Grosso

Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Mato Grosso
Endereço

Av. Ipiranga - 645 - Goiabeiras - Cuiabá (65) 3322-3090 / (65) 3321-0128

PrevNext

Notícias

Arrecadação cai 28,9% em abril e fica em R$101,1 bilhões

Publicado por Agência Brasil em 22/05/2020 às 03:00

Em meio à pandemia da covid-19, a arrecadação das receitas federais no Brasil registrou queda de 28,95% em abril, totalizando R$ 101,154 bilhões. A comparação é com o mesmo mês de 2019, descontada a inflação. Esse foi o menor valor para o mês desde 2006, quando a arrecadação totalizou R$ 94,505 bilhões. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (21) pela Receita Federal.

As receitas administradas pela Receita Federal, como impostos e contribuições federais, chegaram a R$ 93,332 bilhões, resultando em queda real (descontada a inflação) de 28,79%.

Já as receitas administradas por outros órgãos, principalmente royalties do petróleo, somaram R$ 7,822 bilhões, com queda de 30,75%, em relação a abril de 2019.

De janeiro a abril, a arrecadação total chegou a R$ 502,293 bilhões, com queda real de 7,45%, em comparação com o mesmo período do ano passado. As receitas administradas pela Receita ficaram em R$ 476,811 bilhões, com queda de 7,71%.

Já as receitas administradas por outros órgãos atingiram R$ 25,482 bilhões, com queda real de 2,18%.

Segundo a Receita Federal, o resultado do mês e do período acumulado foi “bastante influenciado” por medidas de enfrentamento aos efeitos da pandemia de covid-19. A Receita cita o diferimento (adiamento de pagamento) de tributos, que somou R$ 35,1 bilhões, em abril, e as compensações tributárias que apresentaram crescimento de 25,19% no mês passado e de 46,91% no período acumulado. Essas compensações somaram R$ 10,901 bilhões, no mês passado, e R$ 45,996 bilhões nos quatro meses do ano.

De acordo com o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias, o crescimento das compensações tributárias é resultado da necessidade de liquidez (recursos disponíveis) das empresas. “As empresas perdem o faturamento, perdem liquidez, e passam a lançar mão do seu direito creditório efetuando as compensações tributárias. Esses direitos foram adquiridos no passado, as empresas têm isso na sua contabilidade e podem utilizar no momento em que for oportuno. Com o advento das medidas de isolamento social, queda na atividade econômica, nos faturamentos, as empresas passaram a utilizar mais o recurso das compensações”, explicou.

Entre os tributos com pagamento adiado está o Imposto de Renda da Pessoa Física, de abril para junho. Também houve postergação do pagamento de contribuição patronal ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e dos Programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). Os pagamentos de abril serão quitados em agosto, e os de maio, em outubro. Também houve o adiamento, por seis meses, da parte federal do Simples Nacional. Os pagamentos de abril, maio e junho passaram para outubro, novembro e dezembro. Além disso, foi reduzida a zero a alíquota de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), por 90 dias.

Todos os Nossos Endereços

Cuiabá-MT
Av. Ipiranga - 645 - Goiabeiras 78032-900
Telefones p/ contato: (65) 3322-3090 / (65) 3321-0128

Sinop-MT
Rua das Nogueiras 695, 2º piso, sala 01 - Centro
Telefone p/ contato: (66) 3515-8056

Rondonópolis-MT
Av. Tiradentes, 2818, Centro - Ed. Moreira - 2º piso, Sala 02.
Cep - 78700-028.
Telefones - (66) 3022-3090/(66) 9.9930-6007/ 
Email - cadastro.coremt@gmail.com / (66) 9.8422-8003
E-mail: parcelamentoseboletos.coremt@gmail.com

Horário de Atendimento ao público - Das 8:00 às 11:30 das 13:00 ás 17:00h

Parceiros

SIRECOM-MT CONFERE - Conselho Federal dos Representantes Comerciais
e-box - Sitevip InternetSitevip Internet